Bolsonaro: MP 871 vai gerar economia estimada em R$ 10 bi por ano

Na última quarta-feira (29), presidente disse haver 'ameaças' ao seu governo e declarou que paira fantasma do retorno da esquerda

Nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (30), em sua conta no Twitter, que a Medida Provisória (MP) 871, que combate fraudes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), deve gerar uma economia estimada em R$ 10 bilhões por ano.

"O Brasil segue avançando", afirma o presidente. A MP foi aprovada na Câmara na madrugada de hoje. O Senado já marcou para esta quinta-feira a votação da matéria, que perde a validade na segunda-feira (3).

A Medida Provisória 871 cria um programa de revisão de benefícios do INSS, exige cadastro do trabalhador rural e restringe o pagamento de auxílio-reclusão apenas aos casos de pena em regime fechado.

Macaque in the trees
Jair Bolsonaro (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Ameaças

Bolsonaro disse nesta última quarta-feira (29) que existem ameaças a seu mandato e que o fato de estar na Presidência da República vai "contra interesses de muita gente".

Questionado, ele não quis responder a que ameaças se referia, mas, em discurso, afirmou que ninguém "deve desejar sua cadeira", porque, segundo ele, não é fácil enfrentar pressões de vários setores da sociedade. O presidente ainda declarou que "paira um fantasma" sobre o seu governo do retorno da esquerda.

"Ameaças existem. Muita gente não tem interesse de eu estar sentado naquela cadeira", afirmou Bolsonaro, após cerimônia de posse pública do novo presidente da Embratur, Gilson Machado. "Não vou entrar em detalhes. Estamos conseguindo governar o Brasil."

Durante discurso de improviso, Bolsonaro disse que muitos de seus votos foram obtidos por exclusão na eleição do ano passado e que "um fantasma paira sobre o governo" - uma referência à possibilidade da volta da esquerda ao poder.

Ele também reafirmou que deseja obter governabilidade por meio da 'consciência de todos' e relatou a necessidade de aprovar reformas para retomar a economia, cujo desempenho pode comprometer seu mandato. 

"Não é gente  ente atrapalhando não, são os problemas que o Brasil tem, uma dívida interna monstruosa, uma reforma da Previdência que alguns temem em jogar contra, mas é necessária para o bem de todos."

Presidente disse  ainda que existe yma retomada da normalidade na relação com o Congresso Nacional. "Logicamente, no início de qualquer governo temos problemas, existem algumas caneladas, mas nunca somos inimigos", afirmou, ao lembrar que recebeu os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, além do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli na véspera, para a discussão de um pacto entre os três Poderes. "Isso está voltando à normalidade, o relacionamento que deveria ter. Estou muito feliz com isso."