Documentário que justifica golpe de 64 causa nova polêmica

Com o apoio de um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, um documentário que justifica o golpe de 1964 no Brasil foi um dos vídeos mais assistidos no YouTube nesta quarta-feira (3), após sua exibição em salas da rede Cinemark ter gerado polêmica.

"1964: Brasil entre armas e livros", com mais de duas horas de duração, se concentra nas ações de guerrilhas de esquerda nos anos 1960 e defende a tese de que o golpe que levou o Brasil a 21 anos de ditadura foi consequência da "ameaça comunista" representada por esses grupos no contexto da Guerra Fria.

O 55º aniversário do golpe, no domingo passado, pôs o dedo na ferida que continuam abertas, sobretudo depois que Bolsonaro estimulou as Forças Armadas a comemorar a data nos quartéis.

O longa-metragem, da produtora Brasil Paralelo, chegou a ser exibido no domingo em salas alugadas de São Paulo, Brasília e Belo Horizonte. Após protestos nas redes sociais, a rede Cinemark afirmou que o documentário foi exibido por "erro".

"Por regra, não autorizamos em nossos complexos a divulgação de mídia partidária tampouco eventos de cunho político", explicou.

Seus criadores publicaram o vídeo na terça-feira no YouTube e, até a tarde desta quarta-feira, foram registradas mais de 1.831.000 visualizações. O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, promoveu o documentário em sua conta do Twitter, onde conta com 1,3 milhão de seguidores.

Embora seus criadores afirmem que o filme não defende a ditadura, seu conteúdo coloca em dúvida que a tortura tenha sido usada pelo Estado contra opositores e a classifica como desvios de indivíduos "psicopatas" pertencentes a ambos os lados.

"O filme do Brasil Paralelo não traz novidades, tem forte viés antiacadêmico e algumas incorreções factuais", disse à AFP o professor de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Carlos Fico.

"As ações armadas urbanas e a guerrilha do Araguaia (as iniciativas da esquerda brasileira que se intitulava revolucionária) foram pouco expressivas. Foram rapidamente reprimidas pelo aparato clandestino de repressão que a ditadura criou", apontou.

"O Estado brasileiro poderia, com facilidade, ter combatido as ações armadas urbanas sem recorrer a sistemas clandestinos de repressão, à tortura e aos assassinatos", acrescentou.

Apesar de se declararem contrários a qualquer ideologia, os membros do Brasil Paralelo entrevistaram para esta e outras de suas produções professores, filósofos e formadores de opinião com um viés ideológico conservador, como o escritor Olavo de Carvalho, considerado o "guru" ideológico do governo Bolsonaro.

Segundo a Comissão Nacional da Verdade, durante a ditadura (1964-1985) houve 434 assassinatos e desaparecimentos cometidos por órgão de repressão estatais, assim como centenas de detenções arbitrárias e opositores torturados.

mel/js/dga/cc