Acompanhe ao vivo sessão que decidirá próximo presidente do Senado

O senador José Maranhão (MDB-PB) conduzirá a sessão por ser o senador mais velho da Casa

Reprodução
Credit...Reprodução

O senador José Maranhão (MDB-PB) abriu por volta das 11h45 a sessão que vai eleger o presidente da Casa pelos próximos dois anos. A primeira providência foi a leitura da decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, pela votação secreta no plenário do Senado. A leitura da decisão foi feita pelo senador Fernando Bezerra (MDB-PE). 

Ao longo do processo, o senador Álvaro Dias (Podemos-PR), Major Olímpio (PSL-SP) e Simone Tebet (MDB-MS) retiraram suas candidaturas e declararam apoio a Davi Alcolumbre (DEM-AP). A primeira votação foi anulada após uma inconsistência na contagem de votos. Apesar da Casa contar com 81 parlamentares, havia 82 votos na urna. 

 

Uma segunda votação foi iniciada, momentos após esse início, o candidato à presidência do Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) retirou sua candidatura. 

Já no início da noite, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi eleito presidente do Senado.

Na sexta-feira (1º), os senadores decidiram que a votação para presidente do Senado seria aberta, em sessão conduzida por Davi Alcolumbre (DEM-AP). A decisão, no entanto, foi questionada na Justiça pelos partidos políticos Solidariedade e MDB.

A reunião de ontem para a escolha da Mesa Diretora do Senado foi adiada após cinco horas de discussões. O impasse se deu em torno da decisão pelo voto aberto. A sessão foi marcada por reações acaloradas de senadores, vários dos quais não aceitaram a mudança do rito para escolha do novo presidente.

A própria presidência interina de Alcolumbre foi questionada por senadores do MDB, pois ele também é candidato ao comando do Senado.

O clima de tensão se agravou quando Kátia Abreu (MDB-TO) tirou da Mesa a pasta com o roteiro de condução da sessão. “Por favor, me devolva a pasta, senadora”, pediu Alcolumbre. “Não devolvo. Vem tomar. Você não pode estar aí”, respondeu a senadora. Sem acordo, a sessão foi suspensa e remarcada para hoje.