Jornal do Brasil

País

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos é anunciada ao lado de deputado alvo da Lei Maria da Penha

Jornal do Brasil

O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou, na tarde desta quinta-feira (6), que Damares Alves irá comandar o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Ao lado da futura ministra, em sua primeira entrevista coletiva, estava o deputado eleito Julian Lemos (PSL-PB). Lemos, que foi coordenador da campanha de Bolsonaro no nordeste, foi acusado de agressão pela irmã e pela ex-mulher. Os casos ocorreram entre 2013 e 2016.

O deputado eleito foi alvo de três processos por violência doméstica. Dois foram arquivados após retratação de sua ex-mulher, Ravena Coura. Em 2013, ela teria dito às autoridades que o marido era um homem "muito violento" e que teria sido agredida fisicamente e ameaçada por arma de fogo. Lemos foi preso em flagrante na ocasião.

Em 2016, a irmã do deputado eleito, Kamila Lemos, prestou depoimento à polícia. Disse que havia tentado apaziguar briga entre Lemos e a ex-companheira. De acordo com Kamila, Julian teria começado a disparar impropérios contra ela. Depois, a agarrou pelo pescoço e a arrastou pelo chão. As lesões foram confirmadas em laudo do Instituto Médico Legal. 

Macaque in the trees
Onyx Lorenzoni, Julian Lemos e Damares Alves (Foto: Dida Sampaio/ Futura Press)

O inquérito continua em andamento. Os advogados de Kamila, porém, afirmam que o caso já foi resolvido entre as partes. No entanto, a Justiça quer ouvir os irmãos. Uma audiência foi convocada em outubro, mas não foi realizada.

Em entrevista ao jornal O Globo, publicada em março, para falar sobre o caso, Julian Lemos disse que "a Lei Maria da Penha no Brasil é um instrumento tanto de defesa da mulher quanto de vingança". 

Julian Lemos foi eleito deputado federal pela Paraíba com 71.899 votos. Após a eleição, foi nomeado para o time de transição de Jair Bolsonaro. Ele recebe salário de R$ 13.036,74 para atuar como coordenador do grupo técnico de Desenvolvimento Regional.

Além das acusações de agressão, o empresário foi condenado em primeira instância por estelionato em 2011. Ele teria usado certidão falsa de uma de suas empresas para fechar um contrato com o governo do estado da Paraíba em 2004. A condenação, contudo, prescreveu antes do julgamento.