Os caciques podem não ter vitória com a máquina municipal desta vez

A evolução das candidaturas peemedebistas na disputa das eleições do Rio em 2014 e 2016 parecem seguir trajetórias diferentes. Em 2014, Pezão saiu de um terceiro lugar nas pesquisas para a vitória com liderança no primeiro turno e depois no segundo turno. 

Em junho de 2014, o deputado federal Anthony Garotinho (PR) aparecia em pesquisa com 18%, seguido pelo senador Marcelo Crivella (PRB), de acordo com Ibope/Firjan. O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) tinha 13%.

Em julho, pesquisa do Ibope apontava Garotinho com 21% das intenções de voto, Crivella com 16% e o governador Luiz Fernando Pezão com 15%. 

Em agosto, o Ibope mostrava Garotinho com 28% das intenções de voto, seguido pelo governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, com 18%, e por Crivella, com 16%.

Em setembro, Pezão já aparecia numericamente à frente do ex-governador Anthony Garotinho na disputa pelo Palácio Guanabara, com 29% contra 26%. 

Ibope e Datafolha divulgadas na véspera daquela eleição colocaram Pezão e Garotinho na frente das intenções de voto. Pezão com 36%, Garotinho, 25%, Crivella, 22% para a Datafolha; e, no Ibope, Pezão tinha 37%, Garotinho, 27%, e Crivella, 20%. 

No resultado do primeiro turno, Pezão ficou com 40,57% votos, enquanto o senador Crivella obteve 20,26% votos e Anthony Garotinho, 19,73%.

Na eleição deste ano do Rio, o PMDB está estagnado. Em julho, pesquisa do Instituto Gerp apontava Crivella liderando com larga vantagem, somando 32% das intenções de voto. O deputado Flavio Bolsonaro (PSC) somava 6%, empatando com Marcelo Freixo (Psol). Jandira Feghali (PCdoB) e Carlos Osório (PSDB) tinham 3% cada um. Pedro Paulo aparecia com 2%; Alessandro Molon (Rede) e Índio da Costa (PSD) tinham 1% cada um.

Se o resultado deste domingo não levar o candidato do prefeito ao segundo turno, o que as pesquisas de hoje podem apontar, dificilmente o PMDB do Rio de Janeiro conseguirá uma liderança até mesmo para sucessão estadual. A esperada subida do peemedebista à la Pezão não ocorreu, nem mesmo no primeiro turno. Se for para o segundo turno, não tem chance.