Os escândalos e os silêncios

Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB, não aceitou a delação premiada proposta pela Polícia Federal que investiga os escândalos de suposta corrupção envolvendo empreiteiras, políticos e a Petrobras. O depoimento do lobista, que estava marcado  para esta quarta-feira(19), foi adiado para sexta-feira (21). Muita gente no partido deve ter respirado aliviada.

                                          ***

Na terça-feira (18), o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados rejeitou por 8 votos a 2 o parecer do deputado Paulo Freire (PR-SP) que propunha a abertura de processo de cassação do mandato do deputado Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ). O processo foi, então, arquivado pelo conselho. 

O argumento dos deputados que votaram contra a abertura das investigações é que não havia provas materiais que justificassem as denúncias. Bethlem foi acusado de desviar recursos públicos durante gestão na Secretaria de Assistência Social da prefeitura do Rio de Janeiro. Inclusive, em gravações de telefonemas para sua mulher, o deputado falava de contas na Suíça.

Causa estranheza que o prefeito Eduardo Paes, também do PMDB, até o momento tenha se silenciado a respeito tanto das denúncias quanto do arquivamento do processo contra Bethlem. Quando o mensalão veio à tona, Paes bradava aos sete ventos contra o que chamava de escândalo de corrupção que, segundo ele, era realizado por uma quadrilha comandada pelo poder.