A greve dos bancários às vésperas das eleições

A massa trabalhadora corre risco de ver seus salários depositados em conta, mas ficar na impossibilidade de sacar. Os aposentados, que já sofreram tanto na última greve que durou quase dois meses, correm o risco de voltarem a sofrer, dessa vez com mais gravidade, pois a greve dos bancários marcada para esta terça-feira (30) explode dois dias antes de eles poderem sacar.

Hoje, 29, ou amanhã, 30, dificilmente trabalhadores ou aposentados têm economia em conta que permita que resistam à greve por algum tempo.

A quem favorece essa greve na reta final das eleições?

Todos sabemos que toda greve, mesmo justa e com objetivo correto, tem viés político. E esta  greve foi silenciosa: a opinião pública tomou conhecimento em apenas 24 horas.

Por que patrão e sindicato não acordaram que a greve seria a partir do dia 6, já com os salários sacados?

Nessa greve, o grande prejudicado é quem saca, pois trabalhadores da indústria, do comércio e da agricultura, servidores públicos e aposentados, ficam sem receber.

Por outro lado, o dinheiro fica dormindo nos bancos.

Afinal, a quem interessa esta greve nesse momento das eleições?