Jornal australiano descreve problemas da Vila Olímpica

Matéria do The Courrier Mail cita vazamentos de água, escadas pagadas e privadas entupidas

O jornal australiano The Courrier Mail publiciou nesta segunda-feira (25) uma longa matéria onde descreve duras críticas da comissão técnica da Austrália ás instalações da Vila Olímpica da Rio 2016. O texto intitulado "Vila Olímpica do Rio em crise a menos de duas semanas do início dos Jogos", fala sobre vazamentos de água, escadas pagadas, privadas entupidas e problemas de segurança. Um relatório confirmou que cinco por cento dos 3.600 apartamentos está com problemas de água, gás e falhas elétricas, e alguns estão ainda sem toaletes.

A reportagem conta que a Austrália modificou o local de hospedagem de estrelas como Jessica Fox e o boxer Shelley Watts, que chegavam nesta segunda-feira (25) para hotéis, devido a problemas graves de segurança na vila dos atletas, além da água de esgoto nos chuveiros. A gestão da equipe da Austrália se recusou a ficar na aldeia, porque não acreditam que seja um lugar seguro, e não aceitam as acomodações com vazamentos, má iluminação e outros problemas elétricos.

> > Rio’s Olympic village in crisis less than two weeks from start of the Games

O The Courrier Mail explica que a Vila Olímpica é um complexo de 31 edifícios localizado na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, destina-se a abrigar mais de 18.000 atletas e suas comissões técnica nas próximas semanas.

"Os problemas incluem privadas entupidas, vazamento de tubulações, fiação exposta, escadas escuras onde não há iluminação e pisos sujos", disse Kitty Chiller, chefe da equipe australiana em um comunicado.

Eduardo Paes, prefeito do Rio, ressalta o jornal australiano, criticou as reclamações das australianas dizendo: "Eu estou quase colocando um canguru na frente do seu prédio para que se sintam em casa"

Chiller respondeu de imediato:  'Não, nos envie encanadores"

"Já temos um canguru, nós não precisamos de outro. Arranje encanador" acrescentou Chiller.

"O sistema da Vila Olímpica falhou em um teste no sábado (23) quando torneiras e sanitários foram ligadas em apartamentos de vários andares", ela disse.

"A água desceu paredes, havia um forte cheiro de gás em alguns apartamentos e não havia 'curto-circuito' na fiação elétrica."

O Comitê dos Estados Unidos também reconheceu que há problemas.

Grã-Bretanha disse em um comunicado que tinha encontrado "algumas dificuldades de manutenção", mas muitos membros da equipe estariam preparando um campo de treinamento em Belo Horizonte e não ficariam na aldeia por enquanto. 

Os relatórios afirmaram que cerca de cinco por cento dos 3.600 apartamentos tinha água, gás e falhas elétricas, e alguns estavam sem toaletes. O Rio foi anunciado como a cidade anfitriã dos Jogos em 2 de outubro de 2009, mas com a agitação política e econômica do país, parece que foi difícil construir infra-estruturas adequadas, mesmo com este generoso prazo, diz o The Courrier Mail

Os 3.600 apartamentos serão vendidos após os Jogos Olímpicos por US $ 700.000. O desenvolvimento da Vila custou cerca de US $ 1,5 bilhão.

A última vez que uma Vila Olímpica foi concluída após o prazo foi em 2004, em Atenas, quando os atletas sentiam o cheiro de tinta fresca em seus quartos e caminhavam entre as áreas verdes inacabadas vila, que contou com metade de grama e metade sujeira, lembra o The Courrier Mail.

Quando Chiller publicou no Twitter a foto de um quarto com duas camas bem pequenas e bem próximas a jogadora de basquete Andrew Bogut logo respondeu debochando "Muito espaçosos, assim os colegas de quarto podem se aconchegar"

O jornal australiano fez uma lista de outros problemas da Rio 2016:

-  o Zika vírus

- Venda de ingressos muito lentas

-  poluição da água em locais para a vela e remo

- falta de segurança com alto nível de criminalidade

Para finalizar, The Courrier Mail acrescenta que um ciclovia construída para as Olimpíadas foi destruída pelas ondas do mar e matou duas pessoas. 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais