Joanna Maranhão pede respeito a brasileiros: não são fracassados 

Após dar adeus com eliminações nas três provas que disputou nos Jogos Olímpicos, a nadadora Joanna Maranhão aproveitou para desabafar contra quem critica os atletas brasileiros que não subiram ao pódio em Londres. Depois de desmaiar e abrir o supercílio, ficando de fora da prova dos 400 m medley, ela foi eliminada na semifinal dos 200 m medley e, hoje, nem passou das eliminatórias dos 200 m borboleta. 

Para Joanna, o desempenho não pode desmotivá-la a seguir em frente. A nadadora disparou contra quem julga fracasso ou sucesso por lugar no pódio.

"A luta continua, eu ainda tenho muito para melhorar e sei que vou melhorar. A busca tem que ser incansável, ontem eu estava lendo uma postagem no Twitter do (Ryan) Lochte e ele botou algo sobre isso, ele que é um dos melhores do mundo. Para a imprensa ele falhou, eu acho muito engraçado uma final com um cara (Yannick Agnel) nadando pra 1min47s01, o chinês e o coreano nadando superbem, ele chegar em quarto e as pessoas falarem que ele falhou. Acho isso superengraçado, essa interpretação do que é sucesso e o que é fracasso. O público às vezes confunde um pouco isso", disse.

Namorada do judoca Luciano Correa e amiga de vários integrantes da modalidade, Joanna Maranhão aproveitou o momento para citar o caso de Rafaela Silva. Após ser eliminada da Olimpíada por conta de um golpe ilegal na luta contra a húngara Hedvig Karakas, quando tentava uma vaga nas oitavas de final, a judoca foi bastante criticada no Twitter, se exaltou e chegou a trocar xingamentos com internautas.

"A Rafaela Silva ontem foi uma fatalidade. É uma menina jovem, esforçada, que já foi medalha em um campeonato mundial. As pessoas criticaram e julgaram de uma forma como se ela tivesse obrigação. Ela não tem obrigação de nada, ela faz judô porque ela ama, porque ela gosta, porque ela é boa e isso serve para todo mundo. E se tratando do nosso País, que não é uma potência esportiva e tem alguns expoentes que são, para se tornar uma potência é papel nosso trabalhar mais e é papel de vocês perceberem como o público vai ser abordado. Toda carreira tem altos e baixos", ressaltou a nadadora.

Joanna também saiu em defesa do ginasta Diego Hypólito que, assim como havia acontecido em Pequim 2008, sofreu uma queda e viu ser despedaçado o sonho de conquistar uma medalha olímpica.

"Os atletas merecem um pouco mais de respeito. Hoje eu não ligo mais, já fui muito bombardeada mas hoje aprendi a blindar. Mas a Rafaela é uma menina que está nos primeiros Jogos Olímpicos dela e as pessoas já começam a falar. O Diego Hypólito também as pessoas falam como se o menino fosse um fracasso. Quantas pessoas não queriam estar no lugar dele? Ele tem uma medalha de ouro em Pan, medalha de campeonato mundial, não é fracassado de jeito nenhum. Então para esse próximo ciclo olímpico vale a reflexão de todo mundo", concluiu.