Justiça turca autoriza jornalista alemã a sair do país

A jornalista e tradutora alemã Mesale Tolu, julgada na Turquia por atividades "terroristas", anunciou nesta segunda-feira que as autoridades turcas suspenderam a proibição de saída do território turco que existia contra ela.

"Após um recurso de meus advogados, a proibição de sair do território a que estava submetida foi suspensa. Agradeço a todos que estiveram ao meu lado e me apoiaram", escreveu a jornalista no Twitter.

Mesale Tolu, 34 anos, passou oito meses em detenção provisória. Em dezembro, quando foi liberada, recebeu a notificação de que estava proibida de sair do território.

A detenção da jornalista, acusada de propaganda e de pertencer ao Partido Comunista Marxista Leninista (MLKP), proibido na Turquia por ser considerado "terrorista", provocou tensão entre Ancara e Berlim.

Tolu, que antes da detenção trabalhava para uma pequena agência de notícias turca de esquerda, a Etkin Haber Ajansi (ETHA), poderia ter sido condenada a até 15 anos de prisão.

A próxima audiência do processo está prevista para 16 de outubro.

A decisão da justiça turca foi anunciada um mês antes da viagem que o presidente turco Recep Tayyip Erdogan deve fazer a Alemanha.

Nos últimos dias, a Turquia multiplicou os gestos para tentar reduzir a tensão com a Europa, em meio a um confronto com os Estados Unidos.

Na semana passada, os tribunais turcos libertaram dois soldados gregos e o presidente do escritório turco da ONG Anistia Internacional.