Presidente afegão declara nova trégua com talibãs

O presidente afegão, Ashraf Ghani, declarou neste domingo (19) um cessar-fogo de três meses com os talibãs, sob a condição de que eles também interrompam os combates após um recente aumento da violência no país.

"Anuncio um novo cessar-fogo a partir de amanhã (segunda-feira) até o aniversário do profeta (em 21 de novembro), sob a condição de que os talibãs façam o mesmo", afirmou o chefe de Estado em um pronunciamento transmitido pela televisão.

Em junho, havia sido declarado um cessar-fogo de poucos dias, ao final da celebração do Ramadã, o mês do jejum sagrado muçulmano.

O anúncio é feito depois de, nos últimos 10 dias, o Afeganistão sofrer novos episódios de violência extrema. Em 9 de agosto, os talibãs lançaram um ataque contra Ghazni, cidade estratégica situada a duas horas de estrada de Cabul.

Apoiado por dezenas de ataques aéreos americanos, o Exército afegão batalhou vários dias para conseguir expulsá-los.

O ministro afegão da Defesa, Tariq Shah Bahrami, comunicou um balanço de ao menos 100 soldados mortos nos combates, além do óbito de entre 20 e 30 civis. O representante especial da ONU no Afeganistão, Tadamichi Yamamoto, citou estimativas que falavam de algo em torno "de 110 a 150 vítimas" civis em Ghazni.

Os talibãs também conquistaram uma base do Exército afegão no noroeste, enquanto na semana passada um atentado do grupo extremista Estado Islâmico (EI) contra uma escola em Cabul provocou a morte de pelo menos 37 pessoas, em sua maioria adolescentes.