Presidente do Peru juramenta novo ministro da Justiça após escândalo de áudios

O presidente peruano, Martín Vizcarra, juramentou neste sábado (21) o seu novo ministro da Justiça, Vicente Zeballos, em substituição a Salvador Heresi, que foi destituído após a publicação de gravações de áudio de juízes que desatou um escândalo sobre a venda de sentenças.

Em uma breve cerimônia solene no Palácio do Governo, o ex-congressista do partido Peruanos pela Mudança (PPK) jurou diante de Vizcarra e na presença de outros ministros.

Zeballos renunciou em dezembro ao partido político liderado pelo ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski como sinal de rechaço ao indulto ao ex-presidente Alberto Fujimori.

O congressista de 55 anos assume o Ministério da Justiça em uma conjuntura complicada gerada pela descoberta de uma rede de corrupção envolvendo juízes do Poder Judiciário, membros do Conselho Nacional da Magistratura e procuradores.

Nas gravações, vários juízes falam da venda de sentenças e trocas de favores com nomeações de amigos.

Heresi foi destituído pelo presidente Martín Vizcarra após a divulgação de uma conversa do ex-ministro com o juiz supremo César Hinostroza.

Na noite de sexta-feira, o Congresso aprovou por unanimidade "a remoção completa dos membros do Conselho Nacional da Magistratura (CNM)", órgão responsável pela nomeação de juízes e procuradores "por razões graves", em sessão extraordinária.

Salvador Heresi foi o terceiro ministro que Vizcarra perdeu desde que assumiu o cargo em 23 de março após a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski, arrastado por um escândalo de corrupção.

Em abril, saiu o ministro de Produção, Daniel Córdova, e, em junho, o ministro da Economia, David Tuesta.