Navio dinamarquês desembarca 108 imigrantes na Itália

"Alexander Maersk" estava desde sexta-feira esperando resposta

Terminou na madrugada desta terça-feira (26) a odisseia dos 108 imigrantes que estavam a bordo do navio dinamarquês Alexander Maersk, ancorado desde a sexta-feira passada na costa italiana, sem permissão desembarque. Os imigrantes, que tinham sido resgatados no Mar Mediterrâneo em operações realizadas por ONGs, foram levados para o "hot spot" de Pozzallo, na Sicília, para processo de identificação.

O médico marítimo italiano Vincenzo Morello constatou que a condição de saúde dos imigrantes é estável, sem emergências sanitárias. Os 108 imigrantes foram resgatados do mar pela ONG alemã Lifeline e transferidos para o porta-container dinamarquês, isso porque a organização não-governamental está bloqueada desde a quinta-feira passada na costa de Malta, mas em águas internacionais, com outros 234 imigrantes, protagonizando um "braço de ferro" entre os países europeus para que recebam os estrangeiros.

Como o novo governo italiano está impedindo que navios internacionais e de ONGs levem imigrantes para seus portos, vários navios estão à deriva no Mediterrâneo à espera de uma resposta de países europeus.

O governo da Dinamarca fez um pedido explícito para que a Itália aceitasse o desembarque dos 108 imigrantes a bordo do Alexander Maersk.