Empresas dos EUA pedem fim da política de separação de famílias imigrantes

As grandes empresas americanas exortaram nesta terça-feira (19) o governo de Donald Trump a pôr fim "imediatamente" à sua política de separação de famílias de imigrantes ilegais, que consideram "cruel".

"A Business Roundtable insta o governo a pôr fim imediatamente à política de separação de menores acompanhados por seus pais", escreveu Chuck Robbins, gerente do setor de imigração dessa organização patronal.

"Esta prática é cruel e contrária aos valores americanos", acrescentou.

Segundo dados oficiais, a política de detenção sistemática de imigrantes ilegais na fronteira com o México levou à separação de 2.342 menores de seus pais entre 5 de maio e 9 de junho.

Jamie Dimon, CEO do maior banco americano, JPMorgan Chase, é o presidente da Business Roundtable, que agrupa multinacionais como Caterpillar, Boeing, Walmart, General Motors, IBM, Johnson&Johnson e General Electric.

As relações entre o lobby dos grandes empresários e a Casa Branca esfriaram um pouco ultimamente, com as diferenças sobre o livre comércio.

Depois de elogiar a reforma fiscal que rebaixou as taxas impositivas às empresas e flexibilizou as regulações em certos setores econômicos, a Business Roundtable criticou duramente a decisão de Trump de impor uma tarifa adicional de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as importações de alumínio da União Europeia, Canadá e México.

Os empresários também se distanciaram depois do decreto anti-imigração e das declarações do presidente após a violência racista em Charlottesville (Virgínia).

A Business Roundtable também pede uma lei para proteger os "Dreamers".

lo/vmt/gv/jbg/db/mvv