Três palestinos morrem em Gaza por disparos do Exército israelense

Três palestinos morreram neste domingo (27) pelos disparos de um tanque israelense contra um posto de observação do movimento radical Jihad Islâmica no sul da Faixa de Gaza - anunciou o Ministério da Saúde do enclave palestino.

As vítimas são Husein Al Amur, de 25, Abdul Haleem Al Naqa, de 28, e Marwan Al Amur, segundo a mesma fonte.

O incidente aconteceu perto de Rafah, uma localidade situada no sul da Faixa de Gaza.

Segundo um comunicado do braço armado do movimento radical Jihad Islâmica, as Brigadas Al-Quds, os dois primeiros eram membros do movimento. Não se sabe se o terceiro, que não resistiu aos ferimentos, também era.

A Jihad Islâmica é o segundo grupo mais importante na Faixa de Gaza, atrás do Hamas, que controla o enclave.

Em um comunicado, fontes militares israelenses disseram que o tanque abriu fogo depois que seus soldados detonaram um artefato explosivo que havia sido colocado perto do muro na fronteira entre Gaza e Israel.

No sábado à noite, a aviação israelense bombardeou dois alvos do Hamas - o movimento islamista que controla o enclave - na Faixa de Gaza. Ainda não há informações sobre danos, ou vítimas.

A operação respondia a uma breve incursão no sábado, da fronteira com Gaza, de um grupo de manifestantes palestinos que retornaram, imediatamente, para território palestino, relataram fontes militares israelenses.

O ataque israelense também foi em represália às repetidas tentativas palestinas de danificar o muro de segurança e a "infraestrutura de segurança" fronteiriça, segundo essas fontes.

Os soldados israelenses mataram pelo menos 119 palestinos na Faixa de Gaza desde o início dos protestos palestinos, em 30 de março, de acordo com números do Ministério da Saúde do território.

sa-jod-mjs/par/me/pc/tt