Países do Grupo de Lima convocam embaixadores em Caracas para consultas

Os 14 países do Grupo de Lima convocaram seus embaixadores em Caracas para consultas e concordaram em "reduzir o nível de suas relações diplomáticas com a Venezuela", em protesto contra o polêmico processo eleitoral que resultou na reeleição do presidente Nicolás Maduro - anunciou a organização.

Os países do Grupo de Lima "não reconhecem a legitimidade do processo eleitoral que teve lugar na República Bolivariana da Venezuela, concluído em 20 de maio passado, por não estar em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente", afirma um comunicado oficial.

Por este motivo, os países signatários - Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia - "concordam em reduzir o nível de suas relações diplomáticas com a Venezuela, razão pela qual chamarão para consultas os embaixadores em Caracas e convocarão os embaixadores da Venezuela para expressar nosso protesto".

O grupo decidiu ainda fazer uma reunião durante a primeira quinzena de junho no Peru. O encontro será feito com autoridades responsáveis por temas migratórios, para abordar o preocupante aumento do fluxo de venezuelanos obrigados a abandonar seu país e pelo impacto que esta situação tem na região.

Também pretende "coordenar ações para que as organizações financeiras internacionais e regionais procurem não conceder empréstimos ao governo da Venezuela, devido à inconstitucionalidade de contrair dívida sem o endosso da Assembleia Nacional, exceto quando o financiamento é utilizado em ações de ajuda humanitária".

O comunicado defende "intensificar e ampliar, por meio dos mecanismos existentes, o intercâmbio de informações de Inteligência financeira sobre as atividades de indivíduos e empresas venezuelanas que possam estar vinculados a atos de corrupção, lavagem de dinheiro, ou outras condutas ilícitas".

js/lda/fp/tt