Trump elogia ataque na Síria e afirma: "missão cumprida"

O presidente Donald Trump elogiou neste sábado o ataque aéreo seletivo executado contra o regime sírio por Estados Unidos, Grã-Bretanha e França e afirmou que "não poderia ter um resultado melhor".

"Um ataque perfeitamente executado na noite passada. Obrigado a França e Reino Unido por sua sabedoria e pelo poder de suas excelentes forças militares", escreveu Trump no Twitter.

"Não poderia ter um resultado melhor. Missão Cumprida!", completou.

Os bombardeios ocidentais atingiram três locais vinculados ao programa do arsenal químico do regime de Bashar al-Assad, localizados perto de Damascoe e na região central do país, de acordo com Washington, Paris e Londres.

A ação foi uma resposta ao suposto ataque químico de 7 de abril em Duma, perto da capital síria, atribuído pelas potências ocidentais ao regime de Damasco.

Trump anunciou a ação militar contra o governo de Bashar al-Assad em um discurso na Casa Branca na sexta-feira à noite, depois de chamar o suposto ataque químico da semana passada como os "crimes de um monstro".

Em 2003, o então presidente americano George W. Bush anunciou o fim das principais operações de combate no Iraque a bordo de um porta-aviões que retornava do Golfo, com uma faixa que dizia "Missão Cumprida" atrás dele, uma declaração que se mostrou prematura.

Saiba mais: 

>> Estados Unidos atacam Síria com apoio de França e Reino Unido

>> Ataque à Síria: tudo o que você precisa saber

>> Principais reações aos bombardeios ocidentais na Síria

>> Macron: Ataque à Síria restabelece linha vermelha

>> ONU convoca reunião para discutir ataques à Síria

>> Sete anos de conflito na Síria

>> Ofensiva na Síria repercute no Congresso norte-americano

>> Ataque à Síria restabelece linha vermelha, diz Macron

>> Ataque à Síria: presidente do Parlamento Europeu teme escalada do conflito

>> Ataque americano 'não ficará sem consequências', diz embaixador russo nos EUA

>> Rússia e Irã alertam que ataques terão "consequências"

>> Assad afirma que ataques contra a Síria aumentam determinação de "lutar contra o terrorismo"