Estados Unidos e 14 países europeus  decidem expulsar russos

Medida é reação conjunta ao ataque químico contra um ex-espião russo no Reino Unido

Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira a expulsão de 60 "espiões" russos e o fechamento do consulado da Rússia em Seattle (noroeste) como parte de um gesto coordenado com outros países ocidentais pelo ataque químico contra um ex-espião russo no Reino Unido.

Em uma nota oficial, a Casa Branca informa que a ação foi adotada "em conjunto com nossos aliados da Otan", acrescentando que Washington está disposto a construir melhores relações com Moscou, mas que isso só será possível "com uma mudança no comportamento do governo da Rússia".

Simultâneo ao anúncio americano, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, informou que 14 países da União Europeia decidiram nesta segunda-feira expulsar diplomatas russos.

>> Canadá expulsará quatro diplomatas russos por caso do espião envenenado

>> Londres agradece aliados por resposta 'extraordinária' no caso Skripal

>> Rússia diz que expulsão de seus diplomatas é 'gesto de provocação'

>> Quatorze países da União Europeia expulsam diplomatas russos 

"Concretamente, 14 países da UE decidiram expulsar diplomatas russo", declarou Tusk em Varna, na Bulgária, onde deve participar de uma reunião dos líderes da UE com o presidente turco Recip Tayyip Erdogan.

"Medidas adicionais, incluindo novas expulsões, não estão excluídas nos próximos dias e (próximas) semanas", acrescentou Tusk.

Entre os países que anunciaram a expulsão de diplomatas russos, estão Alemanha (quatro expulsos), França (quatro), República Tcheca (três), Itália (dois), Dinamarca (dois), Ucrânia (treze) e Polônia (quatro).