Regime sírio ataca últimos bolsões rebeldes em Ghuta Oriental

O regime sírio continuava nesta terça-feira (20) sua ofensiva contra os últimos bolsões rebeldes em Ghuta Oriental, nas proximidades de Damasco, enquanto no norte do país os curdos derrotados em Afrin se preparam para a possibilidade de novos ataques turcos.

Essas duas frentes distintas mas representativas da complexidade da guerra na Síria resultaram em uma das piores crises humanitárias desde o início do conflito em 2011, com milhares de civis deslocados pelos combates.

Várias ONGs expressaram preocupação e advertiram sobre o desespero dessas populações.

Para escapar dos bombardeios do regime em Ghuta Oriental, último reduto insurgente perto de Damasco, quase 70 mil pessoas fugiram dos territórios rebeldes nos últimos dias.

Desde o lançamento da ofensiva do regime de Bashar al-Assad, em 18 de fevereiro, os ataques aéreos mataram mais de 1.450 civis, incluindo 297 crianças, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Em um mês de operações aéreas e terrestres, o regime, apoiado por seu aliado russo, reconquistou mais de 80% do enclave.

Na segunda-feira à noite, 20 civis, incluindo 16 crianças, morreram em um ataque aéreo quando se escondiam em uma escola em Arbin, no sul do enclave.

"O subsolo da escola era utilizado como abrigo", explicou à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman, indicando que o ataque foi provavelmente realizado pela aviação russa.

Desde segunda-feira à noite, ao menos 15 ataques do regime visaram Duma, a maior cidade do enclave.

As equipes de resgate se concentram nos casos mais urgentes.

O alto comissário da ONU para os direitos humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, denunciou os bombardeios incessantes contra milhares de civis "aterrorizados e pegos numa armadilha".

"As famílias fogem do enclave rebelde, mas muitos civis temem represálias em razão de seu suposto apoio aos grupos de oposição", afirmou.

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur) também advertiu sobre as condições dos deslocados abrigados em centros "saturados".

"As pessoas fazem filas durante horas para usar os banheiros e a maioria dos centros não têm iluminação", lamentou a agência

Ao mesmo tempo, em Damasco, os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) provaram que continuam a representar uma ameaça, tomando um bairro na periferia sul da capital.

"O EI assumiu o controle total de Qadam e 36 membros das forças do regime e combatentes aliados foram mortos", indicou o OSDH.

Os jihadistas controlam atualmente menos de 5% do território sírio, após sofrerem seguidas derrotas para as forças do regime e para as forças curdo-árabes apoiadas por Washington. 

Em outra frente da guerra, no norte da Síria, a Turquia afirmou na segunda-feira que está disposta a ampliar sua ofensiva contra uma milícia curda, depois de assumir o controle do enclave curdo de Afrin, em grande parte esvaziado de seus habitantes e palco de pilhagens.

"Continuaremos esse processo até a destruição desse corredor - Minbej, Ain al-Arab (nome de Kobani em árabe), Tal Abyad, Ras al-Ain e Qamichli", no norte da Síria, advertiu o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

A polícia militar turca enviou agentes para Afrin nesta terça, de acordo com o OSDH, que descreveu uma situação de segurança "caótica".

A ofensiva turca, lançada em 20 de janeiro, visava a milícia curda das Unidades de Proteção do Povo (YPG), classificada como "terrorista" por Ancara, mas valiosa aliada de Washington na luta contra o EI.

A administração local curda da região de Afrin prometeu que seus combatentes se tornariam um "pesadelo permanente" para o exército turco e seus aliados sírios. De acordo com o OSDH, células dormentes das YPG permanecem presentes em torno de Afrin.