Comando armado explode importante oleoduto na Líbia

Principal suspeito é o grupo terrorista Estado Islâmico

Um comando armado explodiu nesta terça-feira (26) um importante oleoduto que transporta petróleo para o Porto de Sidra, em Cirenaica, como é chamada a costa oriental da Líbia.

O ataque ocorreu nos arredores do vilarejo de Marada, e a estrutura pertence à empresa Waha, subsidiária da Companhia Nacional de Petróleo (NOC, na sigla em inglês), que diz produzir cerca de 260 mil barris por dia. A operação do oleoduto foi imediatamente interrompida.

Segundo fontes militares líbias, citadas pela agência "Reuters", os terroristas chegaram a bordo de dois veículos e cercaram a estrutura com explosivos. O ataque não foi reivindicado, mas o principal suspeito é o grupo Estado Islâmico (EI), bastante ativo no leste do país.

O Porto de Sidra está sob controle do general Khalifa Haftar, que lidera as forças contrárias ao Islã político na Líbia. Em julho passado, ele chegou a um acordo com Fayez al Sarraj, chefe do governo de união nacional reconhecido pela ONU, para a realização de eleições no primeiro semestre de 2018.

A produção de petróleo da NOC caiu para 70 mil barris por dia após o ataque. A extração da commodity no país foi severamente afetada pela guerra civil que culminou na queda do ditador Muammar Kadafi, em 2011, e custou a se aproximar novamente do patamar de 1 milhão de barris diários.