Irã aprova projeto para reconhecer Jerusalém como capital da Palestina

Medida passará a ser artigo 1 de nova legislação que será debatida nos próximos dias

Os deputados iranianos votaram esmagadoramente neste domingo a favor de um projeto de lei que reconheceria Jerusalém como a capital do Estado palestino durante uma sessão parlamentar.

A moção foi apoiada por 187 dos 233 deputados, com 15 votos contra e 9 abstenções, informou a mídia iraniana. A medida passará a ser o artigo 1 da nova legislação que estipula o apoio do Irã à Palestina, que o Parlamento debaterá nos próximos dois dias.

Na quinta-feira, a Assembleia Geral da ONU votou esmagadora em favor de uma resolução não vinculativa que declara o reconhecimento norte-americano de Jerusalém como capital de Israel "nula e sem efeito".

No início desta semana, a embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, vetou um projeto de resolução do Conselho de Segurança da ONU, que também rejeitou a declaração de Donald Trump.

O Ministério de Relações Exteriores do Irã disse que o veto dos EUA não foi uma surpresa para Teerã por causa das políticas racistas e hostis dos Estados Unidos que unilateralmente devolvem "Israel que ocupou Jerusalém desde 1967.

A "decisão provocadora e imprudente" sublinhou a "falta de conformidade com as resoluções internacionais" dos americanos, o porta-voz do ministério, Bahram Ghasemi, citado pela agência de notícias Mehr.

O Estado iraniano "condena firmemente esse movimento e exorta todos os países e a comunidade internacional a impedir sua implementação para preservar a paz e a segurança internacionais", acrescentou.

O reconhecimento de Trump de Jerusalém como a capital israelense em 6 de dezembro desencadeou uma ampla condenação internacional, com líderes europeus denunciando-a como perigoso e prejudicial para o processo de paz palestino-israelense.

Na semana passada, a Organização de Cooperação Islâmica (OIC) realizou uma cúpula de emergência onde os países membros reconheceram Jerusalém Oriental como a capital da Palestina em resposta ao movimento dos EUA.

Os violentos confrontos que se seguiram entre as forças de segurança israelenses e os palestinos em Jerusalém Oriental, Cisjordânia e Gaza ainda não acabaram completamente, resultando em pelo menos 11 palestinos mortos e mais de 3300 feridos, de acordo com o Ministério da Saúde da Palestina.

Milhares de pessoas também foram às ruas para protestar e queimar as bandeiras dos EUA na Jordânia, no Irã, no Egito e em outros países do mundo muçulmano.

Sputnik