Corpo de chefão mafioso Totò Riina é levado para Corleone

Riina morreu no dia 17 e passou por autópsia em Parma

O corpo do chefão histórico da Cosa Nostra, Salvatore "Totò" Riina, foi liberado do departamento de Medicina Legal do hospital de Parma, na Itália, nesta terça-feira (21) e está a caminho de sua cidade natal, Corleone, na Sicília.

Riina, que faleceu na última sexta-feira (17) após ficar cerca de 10 dias internado, passou por autópsia no hospital para detectar a causa da morte.

Seus filhos viram o corpo do pai ainda no sábado (18) à tarde, sem ter se despedido dele ainda em vida. O Ministério da Justiça chegou a emitir uma ordem de liberação extraordinária para permitir que tanto os quatro filhos, como a viúva Ninetta Bagarella, pudessem fazer uma visita final. Mas, nenhum deles foi à unidade hospitalar.

Não há previsão de um velório tradicional para o "boss" de 87 anos e é esperado que o corpo vá direto para o cemitério local. Uma curiosidade é que Riina será enterrado ao lado de seus companheiros históricos de Cosa Nostra: Michele Navarra, Luciano Leggio e das cinzas de Bernardo Provenzano.

Riina era considerado o mais sanguinário dos mafiosos italianos, tendo 26 condenações à prisão perpétua por mais de 100 assassinatos e atentados terroristas.

O "chefe dos chefes" é o mandante de alguns dos mais famosos ataques contra magistrados, durante a declaração que fez de "guerra ao Estado", incluindo as mortes dos juízes Paolo Borsellino e Giovanni Falcone. Ambos eram responsáveis por julgamentos sobre a relação da máfia Cosa Nostra e suas infiltrações dentro do governo, como no caso da famosa Operação Mãos Limpas.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais