Trufas e funghi italianos deverão ter selo de origem

Medida tem como meta prevenir falsificação de produtos

A Coldiretti, maior associação de apoio à agricultura italiana, informou que, a partir de agora, estabelecimentos que comercializam trufas e fungos frescos deverão informar por meio de cartazes ou etiquetas o local da colheita ou cultivação dos produtos. 

A medida foi uma decisão da Comissão Europeia para "desmascarar perigosas artimanhas no comércio de produtos 'Made in Italy'" e evitar que produtos estrangeiros sejam colocados à venda como se fossem italianos.    

"A Comissão Europeia deixou claro que as indicações obrigatórias devem estar presentes nos documentos que acompanham o produto em todas as fases da comercialização, e que a indicação do país de origem é obrigatória para todas as frutas e legumes frescos, mesmo que isentos da Norma de Comercialização Geral, como trufas e fungos", disse a Coldiretti. 

A norma é uma forma de dar mais segurança ao consumidor de produtos frescos. Só em 2016, mais de 7 mil toneladas de fungos e trufas frescas foram importados da Itália, informou a organização.