Presença em eleições na França registra leve queda

A afluência às urnas no segundo turno das eleições presidenciais na França foi de 28,23% até as 12h (horário local), uma pequena queda em relação aos 30,66% registrados no pleito de 2012. A participação do eleitorado no primeiro turno deste ano foi de 28,54% até as 12h. 

O número deste domingo (7) contrariou, contudo, a expectativa de uma abstenção em massa, como esperavam os aliados da ultranacionalista Marine Le Pen, cujos apoiadores são mais mobilizados que os do centrista Emmanuel Macron.    

O ponto fora de curva é o departamento de Seine-Saint-Denis, vizinho a Paris e onde o esquerdista Jean-Luc Mélenchon havia conquistado uma ampla vitória 14 dias atrás. O candidato derrotado não declarou voto em Macron ou Le Pen, e a afluência no departamento às 12h era de apenas 19,54%.    

Até as 17h (horário local), a taxa de comparecimento estava em 65,3%. As urnas na França metropolitana ficaram abertas até as 20h (15h em Brasília) e, logo em seguida, foi anunciada a vitória de Emmanuel Macron.    

>> Macron é eleito novo presidente da França com 65% dos votos

>> União Europeia exulta com vitória de Macron na França

O centrista votou em Touquet-Paris-Plage, no Norte da França, acompanhado de sua esposa, Brigitte. Do lado de fora do colégio eleitoral, o ex-ministro das Finanças foi cumprimentado por eleitores aos gritos de "Macron presidente".    

Já Le Pen votou em Hénin-Beaumont, também no Norte do país, pouco depois de um protesto do movimento Femen contra sua candidatura. Cinco ativistas subiram em um andaime com os seios de fora, acenderam sinalizadores e estenderam uma faixa com os dizeres "Marine no poder, Marianne em desespero", em referência à figura alegórica que representa o espírito republicano francês.    

A ultranacionalista ainda foi criticada pelo próprio pai, Jean-Marie Le Pen, com quem rompera em 2015 devido ao posicionamento negacionista do fundador da Frente Nacional.    "Marine tem caráter, não posso negar, mas para ser presidente é preciso outras qualidades", disse Jean-Marie ao jornal britânico The Sunday Times.    

Segurança 

Um alarme falso provocou a evacuação da esplanada em frente ao Museu do Louvre, em Paris, onde estava programada a festa de Macron em caso de vitória, no início da tarde. O alerta foi deflagrado por uma bolsa suspeita deixada perto da sala de imprensa do local, mas nada foi encontrado. A festa, contudo, transcorre sem problemas, e às 17h30, no horário de Brasília, recebeu o discurso da vitória de Macron. 

* Com agência Ansa Brasil