Advogado diz que Assange não vai se entregar aos EUA

Segundo Barry Pollack, medida de Obama não foi suficiente

Após divulgar que se entregaria ao governo dos Estados Unidos no caso da libertação de Chelsea Manning, o ativista Julian Assange não vai mais realizar o ato. 

Segundo um de seus advogados, Barry Pollack, Assange acolheu "positivamente" a decisão do presidente Barack Obama de comutar a pena da ex-soldado, mas "isso é menos do que ele queria". "Ele tinha pedido a graça e a libertação imediata", ressaltou Pollack.    

Com o anúncio de ontem (17), Obama diminuiu o cumprimento da pena - que terminaria em 2045 - e anunciou que soltará Manning, condenada por vazar os documentos secretos do país, em 17 de maio deste ano.