Exército sueco iniciará alistamento de mulheres para oferecer resistência à Rússia

O governo da Suécia pretende restabelecer o serviço militar por alistamento e planeja incorporar também mulheres para "oferecer resistência à Rússia", informa o jornal Washington Post. Segundo a edição, "a prática de alistamento militar não só está se recuperando, como começa a ser usada de maneira ativa". Os especialistas citados pelo jornal acham que a causa é "o medo perante a Rússia".

 "O receio de que Moscou precisará de apenas algumas horas para organizar uma intrusão militar é mencionado com frequência nos parlamentos e na mídia sueca, finlandesa e norueguesa", escreve Washington Post ao se referir a uma sondagem recente segundo a qual 70% dos suecos estão a favor de restabelecer o alistamento. 

Segundo o centro científico britânico Chatham House, a Suécia está atrasada em reagir à situação de segurança na Europa. Há a opinião que a possibilidade de a Suécia atacar a Rússia é extremamente baixa, mas a sensação de ameaça russa foi a principal causa para restabelecer o alistamento. A edição indica que, ao contrário de alguns países onde o serviço por alistamento é obrigatório, na Suécia será voluntário, tal como o serviço militar profissional. Daqui a pouco a questão do gênero não terá muita importância, pois a participação de mulheres nas Forças Armadas não é uma surpresa para ninguém.