Em um ano de cotas da UE, 5,6 mil imigrantes foram realocados

Sistema previa 160 mil realocações até setembro de 2017

Há um ano da decisão da União Europeia de realocar 160 mil imigrantes até setembro de 2017, o sistema de realocações chegou a apenas 5.651 refugiados transferidos, de acordo com um relatório divulgado pela União Europeia nesta quarta-feira (28).    

Apesar da quantidade mínima de realocações, o bloco celebrou que, no mês de setembro, houve um recorde na quantidade de pessoas que já estão vivendo em uma nova nação: foram 1.202 transferências em 30 dias. Em números gerais, 4.455 deixaram a Grécia para outro país europeu enquanto 1.196 saíram da Itália.    

Dos que moravam na Itália, 260 foram para a Finlândia, 231 para França, 183 para Portugal, 178 para Holanda e 112 para Suíça.    

Enquanto Bulgária, Polônia, República Tcheca, Estônia, Hungria, Lituânia e Eslováquia são aqueles que não receberam ninguém vindo da Itália.    

"Andamos por uma longa estrada e houve progressos. Agora, precisamos andar adiante com o avanço europeu. Convido aqueles que buscam por um 'plano B' ou fala da falência [do sistema] a observar os progressos atingidos", disse o comissário europeu para a Imigração, Dimitris Avramopoulos, ao anunciar os dados.    

Segundo Avramopoulos, apesar dos números pequenos, há iniciativas nos últimos meses que precisam ser elogiadas. "Quero agradecer a Alemanha, que decidiu participar da nossa política acolhendo 500 pessoas por mês e a Bélgica que está se empenhando em 100 por mês", destacou o comissário.    

De acordo com fontes da União Europeia, o governo de Berlim fará a realocação mensal de 500 solicitantes de refúgio vindos da Itália e de outros 500 vindos da Grécia. Já a Bélgica, aceitará mensalmente 100 da Itália e outros 200 da Grécia.