Japão pede que Coreia do Norte pare com as 'provocações'

O Japão exortou fortemente a Coreia do Norte a se abster de provocações nesta terça-feira (23), na sequência de uma série de lançamentos de mísseis e ameaças de Pyongyang de retaliação nuclear em resposta aos exercícios militares entre EUA e Coreia do Sul.

Na segunda-feira (22), a Coreia do Norte ameaçou um ataque militar preventivo em resposta ao início dos exercícios militares anuais em grande escala entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos.

O alto funcionário japonês Kiyoshi Odawara se pronunciou durante um debate do Conselho de Segurança da ONU sobre a não proliferação de armas e disse que os lançamentos de mísseis da Coreia do Norte, o mais recente dos quais atingiu águas japonesas, constituiam "violações flagrantes" de resoluções da ONU.

"O Japão exorta firmemente a Coreia do Norte a se abster de novas provocações e a cumprir fiel e integralmente as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança", disse Odawara, vice-ministro parlamentar do Japão para assuntos estrangeiros.

Também neste mês, o Japão se uniu aos Estados Unidos para convocar uma sessão de emergência do Conselho após a Coreia do Norte ter disparado um míssil de alcance intermediário que caiu nas águas da costa norte do Japão, dentro de sua zona econômica exclusiva (ZEE).

No entanto, o Conselho não condenou esse lançamento, ocorrido em 2 de agosto, depois que a China insistiu em incluir na declaração correspondente palavras de oposição ao sistema de defesa de mísseis THAAD que os Estados Unidos planejam implantar na Coreia do Sul.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais