Confrontos no Sudão do Sul deixam mais de 150 mortos

Pelo menos 153 pessoas foram mortas durante os confrontos de sexta-feira passada (19) entre as tropas governamentais e as forças de oposição na província do Sul do Sudão de Jonglei, segundo informou um porta-voz do exército nesta terça-feira (23).

Um conflito étnico armado eclodiu no Sudão do Sul em dezembro de 2013, um ano e meio depois de o país ganhar a independência do Sudão, quando o presidente Salva Kiir acusou o primeiro vice-presidente Riek Machar de preparar um golpe militar. Mais de um milhão de pessoas fugiram de suas casas em meio ao conflito.

"As forças do SPLA-IO [Exército-Em-Oposição de Libertação Popular do Sudão] e alguns elementos anti-paz atacaram nossas forças na sexta-feira, mas as forças do SPLA conseguiram repeli-los. Cerca de 153 pessoas morreram e nós recuperamos 161 armas leves e pesadas dos atacantes", disse Lul Ruai Koang, citado pela agência de notícias Xinhua, acrescentando que a situação já está estabilizada.

Em agosto de 2015, Kiir e Machar assinaram um acordo de paz que previa a formação do Governo de Transição de Unidade Nacional. No entanto, os combates recomeçaram em julho deste ano, matando centenas de pessoas.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais