Escolha de Kaine para vice pode causar problema para Hillary

Nome não é bem visto pela ala mais à esquerda dos democratas

A pré-candidata democrata à Presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, anunciou na noite desta sexta-feira (23) que terá como seu vice o senador da Virgínia, Timothy Kaine. A ex-secretária de Estado será confirmada como a concorrente de Donald Trump na próxima semana, durante a Convenção do Partido Democrata.    

"Estou feliz em anunciar @timkaine à vice-presidente, um homem que dedicou sua vida à lutar pelos outros. Kaine é um otimista convicto que, se tiver um problema que não pode ser resolvido, dedica-se até o fim", escreveu Hillary nas redes sociais.    

Porém, a escolha do católico Tim Kaine poderá trazer problemas para unir os democratas na convenção - assim como aconteceu com os rivais republicanos. Isso porque, a ala mais à esquerda do partido, queria uma personalidade "mais progressista" para a sigla, especialmente após a forte atuação de Bernie Sanders nas primárias.    

>> Hillary anuncia Tim Kaine como vice na chapa democrata para presidência

O nome favorito desse grupo dos democratas era da senadora Elizabeth Warren, vista como um ícone na luta contra os privilégios dos setores mais ricos e contra os abusos do mercado financeiro. Além disso, Kaine é favorável aos polêmicos acordos, para os norte-americanos, assinados por Barack Obama, no setor comercial com a Ásia e a Europa.    

Porém, a escolha de Hillary deve-se, certamente, à facilidade de comunicação de Kaine com os latinos - já que além de falar espanhol fluente, ele atuou como missionário em Honduras. Apesar das críticas, o vice-presidente é tido como um "bom conciliador" e está mais alinhado com as propostas da candidata democrata.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais