Anistia Internacional acusa Turquia de expulsar imigrantes

Segundo órgão, cerca de 100 deslocados são 'devolvidos' por dia

A organização não governamental Anistia Internacional acusou o governo turco de expulsar imigrantes sírios de seu território desde janeiro deste ano. Segundo relatório divulgado nesta sexta-feira (1), são cerca de 100 pessoas "devolvidas" por dia pelas autoridades para a Síria, em uma prática considerada ilegal pela entidade.    

"Todos os repatriamentos forçados na Síria são ilegais segundo a lei da Turquia, europeia e internacional", publicou a AI citando o testemunho de vários sírios que buscam refúgio no país vizinho. Ainda de acordo com a denúncia, mulheres, crianças e idosos também são enviados de volta e muitos deles não são sequer registrados temporariamente - algo primordial para ter acesso mínimo à saúde a à educação.    

A ONG também destacou que esse comportamento é um reflexo do fechamento das fronteiras europeias. "Na sua tentativa desesperada de fechar as fronteiras, os líderes europeus ignoraram o mais simples dos fatos: a Turquia não é um país seguro para os refugiados sírios", acusou a AI.    

Em resposta ao relatório, o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, destacou que "o princípio de não expulsão está escrito preto no branco no acordo [com os turcos] e é uma linha vermelha que nós queremos ver respeitada".    

Há dois dias, entrou em vigor o novo acordo entre a União Europeia e Ancara que prevê o refúgio para cada deslocado sírio ilegal que entre na Turquia. Segundo Schinas, a entidade "está levando a sério as acusações" e vamos "trabalhar muito próximo à Turquia para responder as preocupações" da ONG. Atualmente, o governo turco abriga cerca de dois milhões de refugiados enquanto os europeus recebeu outro um milhão de pessoas.