Prefeito de Roma formaliza seu pedido de renúncia

Ignazio Marino fica no poder até o dia 29 de outubro

O prefeito de Roma, Ignazio Marino, formalizou nesta sexta-feira (9) seu pedido de renúncia ao cargo e, conforme prevê a lei italiana, deixará seu posto daqui a 20 dias. O vice-prefeito, Marco Causi, que também anunciou sua demissão, fez o comunicado oficial à Presidência da Assembleia local, informando que todas as medidas foram protocoladas. Agora, até o dia 29 de outubro, Marino deve confirmar ou retirar seu pedido. O "dia seguinte" do anúncio foi marcado pela tranquilidade do prefeito demissionário. Desejando aos jornalistas "um bom dia de trabalho", ele afirmou rapidamente que estava se sentindo "muito bem". Depois, o líder político emitiu uma nota em que desmente informações de mais um escândalo à frente da Prefeitura.    

"Li em alguns jornais frases atribuídas a mim e as desminto. Jamais disse que 'agora direi os nomes'. Tudo isso é falso e sou obrigado, mais uma vez, a abrir um processo contra isso", informou Marino. "Vejo que falam de minhas ligações com Matteo Orfini que não ocorreram no dia de ontem, vejo minhas frases inexistentes em um e-mail de Walter Veltroni publicado no La Reppublica, as frases que o Corriere della Sera me atribui dizendo que 'agora darei nomes'. Tudo isso é falso", finalizou. Marino deixou o comando da capital italiana após sofrer pressão política de todos os lados, inclusive de sua sigla, o Partido Democrático. Mas, a gota d'água foi a divulgação de que ele gastou 150 mil euros em 2014 com jantares, hospedagens, encontros e cerimônias oficiais.