Líder do Hamas pede intifada 'para liberar Jerusalém'

"Gaza se unirá à intifada por Jerusalém", disse

O líder do Hamas na Faixa de Gaza, Ismail Haniyeh, pediu hoje, dia 9, "o reforço da Intifada", a qual ele chamou de "o único caminho que pode conduzir à libertação" de Jerusalém.    

"Gaza se unirá à intifada por Jerusalém", disse, segundo a imprensa local, após as rezas de sexta.    

Para Haniyeh, é errado falar de Gaza e Cisjordânia como duas entidades geográficas separadas. "Somos um único povo, devemos coordenar uma única estratégia".    

Ainda de acordo com ele, "apesar do bloqueio imposto por Israel", o Hamas está pronto para intervir no conflito em curso em Jerusalém.    

As tensões continuam altas no Oriente Médio e a escalada de violência não parece estar perto do fim com novos ataques registrados nesta sexta-feira, dia 9.    

O atual ciclo de violência começou no último dia 1º de outubro, quando um casal de israelenses foi morto enquanto seguia de carro em uma estrada que liga duas colônias no norte da Cisjordânia. Como retaliação, Israel vetou o acesso à cidade velha de Jerusalém, a parte árabe, para palestinos não residentes na região. Desde então, foram registrados diversos episódios graves, como a morte de um adolescente palestino de 12 anos que morava no campo de refugiados de Aida, em Belém. O Exército israelense confessou que disparou por engano. A imprensa da região já fala até em terceira intifada, termo árabe que significa "revolta".