Oposição venezuelana mostra otimismo com data de eleições parlamentares

Pleito será realizado no dia 6 de dezembro

Depois do anúncio da data das eleições parlamentares, fixadas para o dia 6 de dezembro deste ano,  feito nesta segunda-feira (22/06) pela presidenta do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena, dirigentes opositores se mostraram otimistas nas redes sociais. É o que diz uma matéria do jornal venezuelano El Universal, publicada nesta terça-feira (23/06).

"Finalmente temos uma data para as eleições! Agora mais do que nunca união e mudança. Cada venezuelano tem a força para conseguir", escreveu em sua conta no Twitter o líder opositor Henrique Capriles.

Por sua vez, a dirigente de Vente Venezuela, María Corina Machado, expressou seu reconhecimento aos venezuelanos que "pressionaram até arrancar do regime a data das parlamentares". "É nosso direito votar (...) agora cabe exigir as condições", acrescentou Machado.

Juan Carlos Caldera, ex-deputado opositor, assinalou na rede social que "em 167 dias cada venezuelano terá com a força de seu voto o poder de conseguir a mudança irrefreável".

"Vamos então Venezuela a lutar para sair deste pesadelo", manifestou o deputado da bancada opositora Julio Montoya depois de conhecer a data das eleições parlamentares.

Tomás Guanipa, afirmou que "80% de descontento popular já tem data para tornar-se uma avalanche de votos" e enfatizou sua postura sobre a participação da oposição nas eleições com um chapa única. 

"Cobra mais força ainda que decidamos de uma vez o uso da Chapa Única", escreveu.

Na Costa Rica, o dirigente Carlos Vecchio indicou que o anúncio da data das eleições "é um passo importante" e assinalou que o próximo passo deve ser a luta porque sejam "transparentes e sem presos".

"O dia 6 de dezembro com as eleições parlamentares na Venezuela dará início à mudança para a Democracia, o Progresso e a Justiça", afirmou o dirigente do Primero Justicia, Julio Borges.

Quem também se manifestou depois do anúncio foi Mitzi Capriles, que na conta no Twitter de seu marido Antonio Ledezma, escreveu "pronto, Venezuela. Temos data e nos sobra coragem com esperança para sair para votar, contra vento e marés, no próximo dia 6 de dezembro"

Ismael García fez um chamado ao dirigente da Voluntad Popular, Leopoldo López, para que suspenda a greve de fome que mantém há quatro semanas. "Bueno Leopoldo, vamos, já há uma data. Suspende essa greve e se levanta. Dia 6 de dezembro é o dia para iniciar a mudança", disse.