Condenados por ataque a Malala, talibãs já estão soltos

Oito dos 10 detidos pelo Paquistão estariam em liberdade

Oito dos 10 talibãs presos por envolvimento no ataque à jovem paquistanesa Malala Yousafzai já foram secretamente libertados, de acordo com uma denúncia divulgada pela imprensa britânica nesta sexta-feira (5). Citando Muneer Ahmed, porta-voz da Alta Comissão Paquistanesa em Londres, a BBC informou que os oito extremistas foram soltos por falta de provas. Uma fonte policial paquistanesa disse que os presos não participaram pessoalmente do ataque e que apenas deram apoio para o "planejamento e execução" do ato. 

De acordo com a polícia do Paquistão, os homens que atiraram em Malala fugiram do país no mesmo dia do ataque, cruzando a fronteira com o Afeganistão.

    Em abril, um tribunal do Paquistão tinha condenado 10 membros do Talibã a 25 anos de prisão por tentativa de homicídio contra Malala, em 2012, no Vale do Swat. O segredo em torno do julgamento levantou suspeitas sobre sua validade. Malala se tornou alvo do grupo islâmico ao defender abertamente o direito das mulheres à educação. Os extremistas atiraram contra sua cabeça na saída da escola. No ano passado, ela venceu o Nobel da Paz, tornando-se a pessoa mais jovem a receber o prêmio. (ANSA)