Governo italiano sofre nova derrota no Senado

A já estreita maioria do governo do primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, no Senado sofreu um novo golpe nesta quarta-feira (3). Dois dos três representantes do pequeno partido de centro-direita Populares pela Itália (PI) anunciaram sua saída da base aliada do premier.    

Os dissidentes são Mario Mauro e Tito Di Maggio, que já vinham votando contra o governo nas últimas semanas por não concordarem com as últimas reformas feitas por Renzi. A terceira senadora do PI, Angela D'Onghia, que também é subsecretária do Ministério da Educação, decidiu continuar na maioria e abandonou o partido.    

"Reformas não compartilhadas e conduzidas de modo improvisado, ressaltando o caráter monocromático do Executivo, estão na base de uma decisão definitiva sobre uma gestão que está parando a Itália e sua economia", diz uma nota assinada por Mauro.    

Agora, o primeiro-ministro pode contar com os votos de apenas 170 dos 321 membros da Câmara Alta do Parlamento (a maioria é de 161), isso sem considerar a minoria de sua legenda, o Partido Democrático (PD), que muitas vezes faz oposição a ele.