Putin acusa Otan por violência na Ucrânia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta segunda-feira (26) que a Ucrânia não tem um Exército, e sim uma legião estrangeira controlada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).    

Segundo o mandatário, as Forças Armadas não seguem mais os interesses nacionais de Kiev e as autoridades locais não buscam uma solução pacífica para os conflitos no sudeste do país. As críticas foram feitas durante um encontro com estudantes universitários em São Petersburgo, após a recente escalada de violência em Donetsk.    

De acordo com a agência russa "Interfax", nesta segunda pelo menos dois civis morreram em bombardeios na região. Por outro lado, segundo o governo ucraniano, sete militares foram assassinados desde o último domingo (25) no sudeste da nação.    

Por conta disso, o primeiro-ministro Arseni Iatseniuk decretou estado de emergência nas regiões de Donetsk e Lugansk, foco dos movimentos separatistas pró-Moscou. "Condenamos a rápida escalada de violência ao longo da linha de cessar-fogo na Ucrânia oriental por parte dos separatistas apoiados pela Rússia", declarou o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg.    Segundo ele, os rebeldes estão promovendo ataques "indiscriminados, injustificados e inaceitáveis". Além disso, o norueguês rebateu as críticas feitas por Vladimir Putin. "Falar de uma legião estrangeira da Otan na Ucrânia não tem sentido", acrescentou.