Estado Islâmico mata 13 jovens que assistiam a jogo de futebol no Iraque

O grupo extremista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) executou 13 jovens iraquianos, em praça pública, acusando-os de terem assistido a uma partida de futebol pela televisão entre a seleção do Iraque e a da Jordânia, válida pela Copa da Ásia, que está sendo disputada na Austrália.

A morte dos adolescentes ocorreu no dia 12 de janeiro, mas a notícia só foi divulgada na noite de ontem (19). Os jovens foram capturados por jihadistas em Mosul e metralhados em público. De acordo com o EI, eles teriam violado a sharia (lei islâmica).

"Os corpos ficaram expostos no chão, pelas ruas. Os pais dos jovens não puderam recuperar seus restos, com medo de serem mortos também", relatou à imprensa um grupo de ativistas locais que documenta secretamente as atividades do EI.

Nesta terça-feira (20), o EI divulgou um vídeo com dois reféns japoneses. Eles exigem um pagamento de US$ 200 milhões como resgate. O governo de Tóquio está analisando o conteúdo das imagens, mas já confirmou sua autenticidade.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, resolveu antecipar seu retorno ao país após a publicação do vídeo. Ele está em visita oficial ao Oriente Médio. Abe definiu a ameaça como "imperdoável" e pediu para os jihadistas "liberarem os reféns imediatamente". (ANSA)