Cameron anuncia duras medidas contra imigração na Grã-Bretanha

Lei prevê expulsão de imigrante desempregado há seis meses

Em discurso realizado nesta sexta-feira (28), o primeiro ministro britânico David Cameron anunciou uma série de medidas de controle de imigrantes da União Europeia (UE). A principal delas estipula um período mínimo de quatro anos para que imigrantes membros da UE comecem a requerer benefícios sociais.

    Outra medida polêmica é a proposta de expulsão de imigrantes desempregados há mais de seis meses.

    "A imigração deve ser controlada, justa e centrada aos nossos interesses nacionais", afirmou Cameron, que mais uma vez, citou a possibilidade de os britânicos deixarem a UE ao comentar a necessidade de reformas nas leis europeias de imigração. "Se for reeleito primeiro ministro em maio, vou negociar com a UE a relação da Grã-Bretanha e as leis de imigração. Se tiver sucesso, farei campanha para permanecer no bloco. Mas se não tiver, não excluo nada", disse.

    "Vemos uma UE frustrada. Então, aos nossos amigos da Europa digo que é tempo de falar e um diálogo não pode começar com a palavra não."

As medidas anunciadas por Cameron visam acalmar os críticos de seu governo. Alas mais conservadoras responsabilizam o seu governo pelo aumento da entrada de imigrantes. A situação fez com que o partido de extrema direita Independence Party (Ukip) tenha ganhado força, o que preocupa o primeiro ministro, de olho nas eleições do próximo ano.

    Segundo dados do governo britânico, entre julho de 2013 e julho deste ano, mais de 580 mil pessoas entraram no país.

    "Os britânicos não querem uma imigração sem limites. Querem uma imigração controlada. O que eu quero", disse Cameron. (ANSA)