Atentado contra sinagoga israelense deixa quatro mortos

Netanyahu afirmou que Israel dará uma 'dura resposta' ao crime

Um ataque contra uma sinagoga em Har Nof, em Jerusalém, nesta terça-feira (18) deixou quatro mortos e, ao menos, oito feridos, segundo o porta-voz da polícia local, Micky Rosenfeld. Ainda de acordo com ele, várias vítimas que foram levadas ao hospital estão em estado gravíssimo.

    O atentado teria sido provocado por dois homens, mas as informações sobre como eles efetuaram o ataque ainda estão desencontradas. Algumas fontes dizem que eles entraram com facas e machados, enquanto outras garantem que eles estavam portando armas de fogo. A polícia afirma que os dois autores do crime foram mortos e que eles seriam de Jabel Mukaber, um bairro árabe da cidade. O grupo islâmico Hamas comemorou o atentado. Segundo o porta-voz do grupo, Mushir al-Masri, "isso foi uma vingança heroica e rápida pela execução de Yusuf al-Rumani", que foi encontrado morto nesta segunda-feira (17). As autoridades israelenses dizem que o motorista de ônibus se suicidou, mas os familiares acusam os judeus ortodoxos pelo crime.

    "É nosso direito reivindicar o sangue dos nossos mártires", disse al-Masri acrescentando que a crescente tensão entre os dois lados foi causada pelo fechamento da Esplanada das Mesquitas em Jerusalém. A Jihad islâmica emitiu uma mensagem no mesmo tom do Hamas. Pouco após o crime, um vídeo divulgado pelo braço armado do Hamas mostra o grupo ameaçando fazer uma série de atentados em Israel. Porém, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, condenou o ataque e a "morte de fieis judeus e de outros civis". Mais cedo, ele já havia dito através de nota que "a presidência condenada ataque aos judeus em seus locais de oração e condena a morte de civis - não importando quem tenha feito isso".

    Por outro lado, o primeiro-ministro israelense, Benyamin Netanyahu, acusou Abbas e o Hamas de serem os responsáveis pelo ataque, dizendo que o ato foi "uma consequência direta dos seus incitamentos, um incitamento que a comunidade internacional irresponsavelmente ignorou". Ele ainda afirmou que o país "reagirá duramente à cruel morte dos judeus que estavam rezando". Já o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, chamou o crime de "puro terror, uma brutalidade sem sentido e que não tem lugar no comportamento humano".