Naufrágio do Costa Concordia causou danos irreparáveis ao turismo da Toscana

O naufrágio do navio Costa Concordia provocou danos de cerca de 189 milhões de euros aos moradores da Ilha de Giglio, na Itália, segundo estimativas apresentadas nesta segunda-feira (17) pelas autoridades.

De acordo com o consultor técnico Carla Scarpa, que participou hoje de uma audiência do processo sobre o acidente, os moradores da Ilha de Giglio têm um dano biológico e existencial estimado entre 125 milhões e 189 milhões de euros. O valor foi calculado com base em 1.418 moradores, em um período de 920 dias da permanência do navio na ilha.

"Éramos conhecidos por Galileo Galilei e Leonardo da Vinci, mas, agora, todos nos conhecem por Francesco Schettino e suas obscenidades", disse o governador da Toscana, Enrico Rossi, referindo-se ao comandante do Costa Concordia, que bateu e encalhou a embarcação nas rochas.

Rossi também foi chamado a depor na manhã de hoje como testemunha no processo do naufrágio. "A Toscana tinha uma paisagem extraordinária e aquele monstro provocou um dano mortal ao turismo, não apenas à Ilha de Giglio, mas a toda região", comentou Rossi. "Os danos ao turismo não podem ser compensados", disse o governador.

O navio Costa Concordia naufragou em janeiro de 2012, na Ilha de Giglio, na Itália, provocando a morte de 32 pessoas. Após ficar encalhada no mar por mais de dois anos, a embarcação foi rebocada em julho de 2014.