Tribunal vaticano condena religioso por fraude

O Tribunal do Estado do Vaticano condenou a três anos e dois meses de prisão o monsenhor Bronis?aw Morawiec, responsável pela administração da Basílica de Santa Maria Maggiore, por "fraude agravada para vantagens pessoais". 

A informação foi divulgada neste domingo (16) pelo porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi. A decisão é de primeira instância e também prevê a interdição a cargos públicos. 

"No momento, a condenação não é executável, pois o condenado recorreu da decisão", disse Lombardi à ANSA, ressaltando, no entanto, que a sentença representa "uma clara vontade de reafirmar a necessidade de transparência administrativa". 

O processo foi aberto após as autoridades vaticanas responsáveis pelo setor financeiro notarem irregularidades na administração da Basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma. O valor das fraudes envolvendo Morawiec seria próximo de 210 mil euros. A condenação é uma das mais duras já aplicadas no Vaticano desde a eleição do papa Francisco, em março de 2013. Em diversas ocasiões, Jorge Mario Bergoglio se comprometeu a acabar com a corrupção.