Bento XVI se despede de cardeais e promete obediência ao novo papa

Bento XVI fez na manhã desta quinta-feira um de seus últimos pronunciamentos ainda como papa. Em encontro com cardeais, ele afirmou que permanecerá os próximos dias em oração para que todos estejam próximos do Espírito Santo na escolha do novo papa. "Que o Colégio dos Cardeais seja como uma orquestra", afirmou após ressaltar que a diversidade deve conduzir à harmonia, em referência à eleição de seu sucessor. e

Ele prometeu obediência ao religioso que sucedê-lo: "Que o Senhor mostre aquele que Ele deseja", afirmou. "A partir de hoje prometo ao futuro papa minha incondicional reverência e obediência", disse.

Bento XVI também agradeceu o apoio dos cardeais nos oito anos de Pontificado: "Para mim também foi uma alegria estar convosco estes oito anos na luz da presença do Senhor Santificado", disse o religioso. Bento XVI também fez um apelo para que a Igreja Católica permaneça unida.

Os cardeais, representados pelo decano do Colégio Cardinalício, Angelo Sodano, manifestaram sua gratidão a Bento XVI por seus oito anos de pontificado. Sodano disse que Bento XVI foi um 'exemplo'.

Cerca de 100 cardeais participaram do encontro, na Sala Clementina, no Vaticano Eles receberam Bento XVI com aplausos de despedida. Depois, os cardeais se despediram separadamente de Bento XVI.

Mais tarde, às 16h55 (12h55), Bento XVI vai até o heliporto da Santa Sé e deixa o Vaticano em direção à residência papal de Castelgandolfo, 30 km ao sul de Roma, onde irá isolar-se durante o período do Conclave. Na sua chegada, Bento XVI será recebido por autoridades civis e religiosas e, por volta das 17h30 (13h30), irá ao pórtico da residência de verão dos pontífices para saudar os fiéis daquela diocese.

Este será o último ato público do papa, e o único sinal visível que anunciará que Bento XVI já não é mais papa será dado às 20h locais, quando a Guarda Suíça que presta guarda na porta do palácio de Castelgandolfo concluirá seu serviço e deixará o local. A partir desse momento, a Guarda Suíça deixará de prestar serviço a Ratzinger (que adotará o título “Papa emérito”), cuja segurança continuará garantida pela Gendarmaria Vaticana.

Uma vez findo o processo da renúncia, começa o da sucessão. No dia 1º de março, já em plena Sé Vacante - o período entre o falecimento ou renúncia de um papa até que seja eleito o sucessor -, o decano do Colégio Cardinalício, o cardeal Angelo Sodano, convocará os cardeais às reuniões preparatórias do Conclave, cuja data será decidida nos próximos dias.

Visto que o dia 1º é sexta-feira, o mais provável é que a primeira congregação de cardeais aconteça no dia 4, na semana seguinte.

Com Portal Terra