Argélia: número de reféns mortos sobe para 25

Vinte e cinco corpos de reféns foram encontrados neste domingo pelas forças especiais da Argélia, que vasculham o campo de exploração de gás do Saara onde um grupo de islamitas armados manteve em cativeiro centenas de trabalhadores, informou a televisão argelina Ennahar. Balanço inicial indicava que havia 23 mortos, além dos 32 extremistas. 

A ação terminou neste sábado com um ataque final pelas forças especiais, segundo informações oficiais. As autoridades argelinas não revelaram, até agora, balanços de vítimas de fora do país.

O Japão diz que 10 cidadãos estão desaparecidos. A Noruega, cinco e a Malásia, duas pessoas. A Grã-Bretanha confirmou a morte de três cidadãos britânicos. França, Estados Unidos e Romênia também disseram que há cidadãos de seus países entre as vítimas.

Segundo o Ministério do Interior, no ataque das forças especiais do Exército, que começou na quinta-feira e terminou no último sábado, foram resgatados 107 trabalhadores estrangeiros e 685 argelinos. O comunicado, que não detalha a nacionalidade das vítimas, destaca que após a operação o Exército apreendeu diferentes tipos de fuzis, dois morteiros, seis mísseis tipo C5 de 60 milímetros com plataformas de lançamento, dois lança-granadas com oito projéteis e dez granadas colocadas em cintos de explosivos.

Após assegurar que "a Argélia acaba de fazer frente a uma agressão terrorista de grande amplitude, que pôs em perigo centenas de vidas e infraestruturas econômicas estratégicas", o Ministério insistiu na complexidade da situação. "A preocupação prioritária de preservar as vidas humanas, os riscos derivados da natureza das instalações de gás, a configuração do local e as ameaças sobre os reféns tornaram complexa a intervenção das forças especiais", ressalta o comunicado.

O Ministério justificou a rápida intervenção como o único modo de evitar mais mortes. "Para evitar um banho de sangue e dada a extrema periculosidade da situação, levando em conta, além disso, a intenção manifesta dos terroristas de fugir com os reféns e explodir as instalações de gás, as forças especiais do Exército efetuaram com eficácia e profissionalismo uma intervenção precisa para neutralizar o grupo terrorista", conclui a nota.

Com Portal Terra