Manifestantes promovem mais um dia de protestos no Egito

Manifestantes favoráveis e contrários ao governo do presidente do Egito, Mouhamed Mursi, promovem um protesto hoje (12) no Cairo, capital do país. Mursi convocou o Exército para garantir a segurança durante o dia de manifestações. O palácio presidencial está cercado por blocos de concreto, tanques e centenas de soldados. Os aliados de Mursi estão concentrados na Praça Tahrir. Também há protestos em Alexandria e Assiut.

Os manifestantes de oposição conseguiram ultrapassar a barreira colocada em frente ao palácio, mas não houve violência. No centro da discussão está o novo texto da Constituição. Os críticos do governo alegam que o texto não corresponde aos desejos do povo, enquanto os aliados de Mursi defendem a proposta.

Os manifestantes contrários a Mursi querem o cancelamento do referendo, marcado para o dia 15, que determina a adoção do novo texto. Segundo o presidente, a proposta assegura a revolução que levou à renúncia do então presidente Hosni Mubarak, em fevereiro de 2011. No entanto, os manifestantes críticos ao governo dizem que o texto reintroduz a ditadura no país.

A onda de protestos no Egito ocorre há mais de uma semana. Inicialmente, os manifestantes saíram às ruas para defender a revogação do decreto que ampliava os poderes do presidente e reduzia os do Legislativo e Judiciário. Mursi revogou o decreto e também uma medida que aumentava os impostos sobre os produtos básicos.