Governo britânico mantém decisão de extraditar fundador do WikiLeaks

O governo do Reino Unido se disse "desapontado" com a decisão anunciada pelo Equador de conceder asilo diplomático a Julian Assange, e afirmou que pretende levar adiante a decisão de extraditar o fundador do site WikiLeaks.

Antes do anúncio feito pelo chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, o governo britânico já havia informado ao Equador que qualquer pedido de salvo-conduto para Assange seria negado. Com isso, em tese, Assange poderia ser preso ao deixar o prédio da embaixada rumo ao aeroporto.

Também nesta quinta-feira, manifestantes pró-Assange e policiais britânicos entraram em confronto em frente ao prédio da Embaixada do Equador em Londres, após o governo britânico ter dado a entender que pode entrar no prédio para prender o fundador do WikiLeaks.

Pelo menos três manifestantes foram presos. Cerca de 20 policiais estão do lado de fora da embaixada, tentando controlar os manifestantes.