Quatro mortos em onda de ataques suicidas e com carros-bomba no oeste do Iraque 

Uma série de atentados suicidas e com carros-bomba registrada neste domingo deixou quatro mortos e 19 feridos em Ramadi (100 km a oeste de Bagdá), seguida pelo ataque da parte de homens armados contra um centro policial, informaram fontes policiais.

Quatro carros-bomba explodiram perto de uma mesquita e de uma delegacia, e dois camicases se fizeram explodir suas cargas explosivas ante o cnetro policial, antes deste ser atacado, segundo as fontes.

Os dois primeiros carros-bomba explodiram perto da mesquita de Dawlah Kabir no centro de Ramadi, e um terceiro pouco depois no centro da cidade.

Um quarto carro explodiu perto de um centro policial, ante o qual dois camicases se fizeram explodir um pouco depois. Homens armados então invadiram o posto e os enfrentamentos prosseguiam.

Ramadi, cidade de meio milhão de habitantes, é a capital da província sunita de al Anbar, que foi reduto da insurreição antiamericana e da facção iraquiana da Al-Qaeda.

No sábado, um homem-bomba matou 53 pessoas em mais um atentado contra a comunidade xiita no no último dia do Arbaeen, em que os peregrinos prestam sua homenagem à memória do imã Hussein, figura essencial do Islã xiita.

O suicida, que estava distribuindo bolo e outros alimentos para os peregrinos que caminhavam para Khutwa Imam Ali, um local nos arredores de Basra venerado pelos fiéis por suas associações com uma das principais personalidades de sua fé, se explodiu próximo a um posto de controle.

O ataque aos devotos xiitas nos arredores da cidade portuária de Basra, que também deixou 137 feridos, aconteceu em um contexto em que o Iraque está envolvido em uma disputa política que colocou o governo liderado pelos xiitas contra o principal bloco apoiado pelos sunitas causando tensões sectárias menos de um mês depois de as forças dos EUA completarem sua retirada.

Este ano é a primeira vez que as tropas do Iraque foram responsabilizadas sozinhas pela a segurança da Arbaeen desde a invasão do Iraque pelos Estados Unidos em 2003, já que as tropas americanas deixaram o país no mês passado.