Mais uma sobrevivente do terremoto é resgatada; Ancara aceita ajuda

Uma professora de 27 anos foi resgatada viva dos escombros 66 horas depois do terremoto que devastou Van, província da Turquia. E hoje o governo turco, depois de muitas críticas, finalmente decidiu aceitar a ajuda estrangeira para enfrentar as consequências do desastre.

Bombeiros trabalharam a noite inteira para resgatar Gozde Bahar, na cidade de Ercis, afirmaram os canais de televisão NTV e CNN-Turk. A jovem estava ferida e desnutrida e foi imediatamente levada para o hospital local.

Um vizinho da sobrevivente, Akif Goltas, confirmou a um repórter da AFP que a mulher foi salva depois de muito esforço das equipes de socorro.

Poucas horas antes, um jovem estudante Eyüp Erdem foi retirado dos entulhos, onde ficou preso por mais de 60 horas na mesma cidade de Ercis, informou a agência de notícias Anatolia.

Na terça-feira, o resgate extraordinário de um bebê de 14 dias, sua mãe e sua avó, mantiveram vivas as esperanças das equipes de socorro, mas a cada hora que passa as possibilidades de encontrar pessoas vivas diminuem.

As operações de busca continuaram durante a noite com a ajuda de geradores, já que a cidade está sem eletricidade e água. As dificuldades aumentam com o intenso frio e a possibilidade de neve.

As autoridades anunciaram o envio de centenas de barracas de campanha para Ercis e Van, a capital regional. No total 25.000 barracas foram prometidas pelo governo para atender as necessidades dos sobreviventes, que reclamam da falta de organização.

Nesta quarta-feira, o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan disse que a ajuda na zona afetada está sob controle, mas admitiu falhas nos primeiros socorros às vítimas do terremoto.

"Nas primeiras 24 horas, realmente houve falhas, nós reconhecemos", assegurando que o "Estado está mobilizado com todas as instituições" para ajudar os sinistrados.

As vítimas criticaram a lentidão da distribuição de barracas e acusaram as autoridades de discriminação étnica, acusação rejeitada por Erdogan.

A população do leste é de maioria curda, são 15 milhões de habitantes de um total de 75 milhões.

O governo turco aceitou a ajuda proposta por países, inclusive Israel, para enfrentar as consequências do terremoto, de acordo com uma fonte diplomática turca. Ancara, que no início recusou estas ofertas, decidiu aceitar os abrigos pré-fabricados para os sobreviventes.

Israel propôs assistência apesar das tensões entre os dois países. Um ataque israelense contra um comboio Humanitário para a Faixa de Gaza matou nove turcos em 2010.

Longas filas foram formadas na frente da prefeitura de Erics durante a distribuição de barracas. "Eles nos tratam como bichos", disse uma jovem enfurecida com a interrupção da ajuda.

"Ontem (terça-feira) esperei até meia-noite e não recebi nada. Voltei antes do amanhecer", afirmou Erdal Bayram, um pedreiro.

Famílias de luto continuam a enterrar seus parentes. As autoridades sanitárias alertaram para o perigo de epidemias e diarréia.

O terremoto de magnitude 7,2 já provocou a morte de 459 pessoas e mais de 1.350 feridos, segundo números oficiais divulgados na manhã desta quarta-feira.