Ban: Tamanho do desastre no Haiti está mais claro

Daniela Traldi, Rádio das Nações Unidas

NOVA YORK - O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta sexta-feira que o tamanho do desastre no Haiti está mais claro, dez dias após o terremoto.

Em pronunciamento na Assembleia Geral em Nova York, Ban afirmou que, segundo estatísticas do governo haitiano, pelo menos 75 mil pessoas morreram no desastre, 200 mil ficaram feridas e um milhão não tem onde morar.

Destruídos

Ele ressaltou que as equipes de resgate conseguiram retirar 123 pessoas vivas dos escombros, que as buscas continuam e as prioridades agora são assistência humanitária, segurança e o futuro da população.

O Secretário-Geral agradeceu a contribuição de tropas de países da América Latina, como Argentina, Brasil, Chile e Uruguai, e outras regiões do mundo pela resposta espontânea de apoio para o pedido de mais policiais e militares para a Missão da ONU no país, a Minustah.

Ban Ki-moon enfatizou que o governo haitiano foi fortemente atingido pelo terremoto, com infraestrutura em colapso, ministérios, escolas e presídios destruídos. Ele afirmou que mais de 4 mil prisioneiros escaparam da penitenciária nacional de Porto Príncipe.

Pagamento

Ele também lembrou que 70 funcionários da ONU morreram na tragédia e 146 continuam desaparecidos. Ban enfatizou que as Nações Unidas devem continuar ajudando na reconstrução do país.

O Secretário-Geral disse que a ONU está buscando US$41 milhões, mais de R$70 milhões para apoiar a iniciativa 'Dinheiro por Trabalho', lançada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud.

Segundo Ban Ki-moon, o projeto prevê pagamento de US$5, cerca de R$9, a haitianos que ajudem na retirada de entulhos das ruas, em demolições, reconstrução, entrega de material de assistência e acampamentos para sem teto.

Ele também pediu aos países membros mais contribuições ao apelo humanitário de US$575 milhões, R$1 bilhão, para o Haiti. Ban disse que US$334 milhões, quase R$600 milhões já foram recebidos.