Haiti: Familiares se despedem de Luiz Carlos da Costa

Thiago Feres, Jornal do Brasil

RIO - O corpo do vice-representante especial da Organização das Nações Unidas no Haiti, Luiz Carlos da Costa, foi velado durante todo o dia de ontem no Palácio do Itamaraty, no Centro do Rio. Ele foi mais uma vítima do forte terremoto de magnitude 7,0, na escala Richter que devastou o país mais pobre das Américas no último dia 12. Além de familiares, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e a porta-voz da ONU, Suzana Malcorra, participaram do velório que se estendeu até as 17 horas.

Meu pai nos deu um presente da paz. Para a minha família, a morte dele representa um novo começo. Um despertar de um novo dia. Ele nos ensinou a amar, perdoar e a lutar pelo bem no mundo. Hoje, somos nós que sejamos que ele descanse em paz afirmou emocionada a filha de Luiz, Ana Maria da Costa, ao lado da irmã Mariana da Costa.

Durante um rápido discurso, a esposa do representante da ONU agradeceu aos militares brasileiros pelo empenho na Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti (Minustah) e lembrou do marido.

Ele era um anjo da guarda e veio ao mundo com a missão dele. Agora, nós todos vamos dar continuidade a missão dele destacou Cristina da Costa.

Luiz Carlos morava com a família há 40 anos nos Estados Unidos, onde será enterrado amanhã. O corpo dele seguirá ainda hoje para Nova Iorque em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

Ele foi um símbolo das Nações Unidas. Criou uma carreira espetacular e sempre esteve trabalhando pelos que mais precisavam e buscavam a paz. É uma perda grande frisou a porta-voz da ONU, Susana Malcorra.

A carreira de Luiz Carlos começou no ano de 1969, ainda com o cargo de mensageiro da ONU. A partir daí, não parou de crescer. Ele ocupou cargos como o de vice-representante especial na Missão das Nações Unidas na Libéria, em 2005; diretor da Missão das Nações Unidas em Kosovo, em 2000; e foi o principal oficial de gerenciamento do escritório do sub-secretário-geral de operações pela paz, e, 2002.

O corpo do vice-representante especial da ONU foi trazido para o Rio de Janeiro por um avião da FAB, que pousou na manhã de ontem na Base Aérea do Galeão. Amigos e parentes vieram no mesmo voo e esperaram aproximadamente duas horas em um hotel de trânsito instalado dentro da própria área militar. Após os procedimentos legais realizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Polícia Federal e pela Receita Federal, o corpo seguiu para o Palácio do Itamaraty num comboio.